Textual description of firstImageUrl

A Mente Misteriosa de Carl Gustav Jung



Conheça um pouco sobre a visão de Carl Gustav Jung, um dos mais importantes nomes da psicologia moderna.

O corpo de trabalho que compreende a psicologia moderna é sinônimo de nomes como Freud, Pavlov, Skinner e vários outros pioneiros. Há outro que, é claro, vem à mente, tanto por sua influência no estudo do pensamento humano quanto no funcionamento da mente: Carl Gustav Jung.

Jung, além de seu trabalho acadêmico e numerosos escritos que abordam o funcionamento interno da condição humana, passou grande parte de sua vida fascinado com o esotérico também, e manteve uma série de interesses e crenças que o aproximaram do reino do oculto.


Muito no início de sua vida, Jung chegou a acreditar que sua alma estava dividida em sua personalidade natural e jovem do presente e de um "homem importante e influente do passado". Isso tem alguma semelhança com o conceito de Senex, abordado nas obras posteriores de Jung, que descrevia um arquetípico "velho sábio"  que persiste em todo o mito, cultura e literatura. No entanto, Jung, especificamente, comparou esse aspecto separado de si mesmo com o espírito de um homem do século XVIII, evocando aparentemente temas da morte e da vida após a morte, e em particular, a reencarnação.

Há também um "ritual" muito curioso de que Jung escreveu, que ele disse que criou quando jovem. Jung descreveu esculpir uma pequena figura de madeira e, colocando-a em uma caixa que ele escondeu no sótão de sua casa, disse que escrevia notas em pequenas folhas de papel em uma "linguagem secreta" de sua própria criação, que foram colocados no caixa; mais tarde, Jung reconheceria esse tipo de atividade como sendo semelhante ao culto totem pelas culturas indígenas ao redor do mundo, inspirando aspectos de suas teorias posteriores relativas ao simbolismo e aos arquétipos psicológicos.

"A Disputa de Oberon e Titania", de Noel Paton

O trabalho de Jung com os arquétipos tratava de imagens mentais primitivas ou motivos culturais recorrentes, que são "herdados" de nossos antepassados ​​humanos e, supostamente, permanecem presentes no inconsciente coletivo das pessoas de hoje. Através deste trabalho, Jung, de tempos em tempos, questionaria uma série de observações únicas que, quando comparadas com a fenomenologia moderna, parecem ter algumas qualidades decididamente esotéricas. Por exemplo, Jung descreveu como personagens grotescos de "gnomo" se manifestavam nos sonhos de muitos de seus pacientes, que Jung considerava representativos de alguma forma de espírito arquetípico (um aspecto do que Jung chamava de Mana-personalidade). No entanto, Jung mencionou esses personagens estranhos, em conjunto com as aparências semelhantes de entes queridos falecidos em seu artigo "A Fenomenologia do Espírito em Contos de Fadas". Isso é significativo, pois, nas últimas décadas, especialmente, vários pesquisadores fizeram comparações entre experiências de quase-morte e histórias de abdução alienígena; O primeiro geralmente trata das aparências de falecidos entes queridos, o último, com extraterrestres diminutos que, graças ao estudo de pesquisadores como Jacques Vallee e outros, mais de uma vez foram comparados com as fadas.


Sobre o tema das mitologias modernas relacionadas ao assunto OVNI, Jung, ao contrário de muitos de seus contemporâneos, mostrou abertamente seu interesse por esse assunto, expressado com maior eloquência em seu ensaio clássico sobre o assunto, Discos Voadores: Um Mito Moderno de Objetos Vistos no Céu.

Mas, talvez, uma intriga ainda maior do que o interesse de Jung em fenômeno que, hoje, muitos associaram a OVNIs, envolveram vários incidentes com sua mãe, Emilie. Uma mulher estranha e perturbada, de acordo com Jung, Emilie passou uma boa parte de seu tempo sozinha em seu quarto à noite, onde afirmou que os "espíritos" a visitariam todas as noites. Jung descreveu "influências assustadoras" que ele associou com o quarto de sua mãe como resultado disso, mesmo alegando em uma ocasião ter testemunhado "uma figura levemente luminosa e indefinida vindo de seu quarto, com uma cabeça separada do pescoço e flutuando no ar em frente ao corpo". O que se pode entender dessa estranha aparição, ninguém sabe.

Com a publicação do "Livro Vermelho" privado de Jung em 2009, tornou-se evidente que Jung, mais tarde, sofreu um choque final com alguns "fantasmas" próprios. Durante seus anos médios, Jung passou por um "confronto" autodescrito com seu inconsciente, durante o qual ele começou a descrever circunstâncias que quase pareciam sugerir um transtorno psicótico: Jung ouviu vozes desencarnadas e apareceram visões estranhas diante dele.


Naturalmente, a preocupação com isso sugeriu que Jung questionasse se ele estava, de repente, "ameaçado por uma psicose", embora ele mais tarde tenha começado a conceber a ideia de que algumas de suas "visões" podem ser representativas das várias pessoas presentes na consciência coletiva da humanidade e, portanto, renunciou a aprender com eles (desnecessário dizer, isso não seria considerado um tratamento "aceitável" para tal condição pelos padrões clínicos atuais, embora o que Jung descreve se assemelhe, pelo menos, a algumas das descrições dos períodos alucinados descritos pelo vencedor do Prêmio Nobel John Nash, sobre quem o filme Uma Mente Brilhante foi baseado).


Essas experiências, não só levaram à vanguarda da pesquisa de Jung sobre o conceito de arquétipos, mas também constituíram a base de suas teorias posteriores de imaginação ativa. Embora os métodos de Jung de lidar com o que, de outra forma, poderia ter sido considerado psicótico (ou mesmo sobrenatural), mais tarde formaram a base de seus métodos psicológicos, devemos pensar em eventos anteriores, como a aparição do "fantasma" emergente da câmara de sua mãe durante seus primeiros anos de vida. A "aparição" que Jung tinha visto ao sair do quarto de sua mãe tem sido uma manifestação arquetípica semelhante de sua própria mente jovem, ao invés de uma aparição física externa à sua percepção?

Poderia haver ideias mais profundas que se pudessem ler nas explicações de Jung para coisas como os "gnomos grotescos", arquetípicos que ele menciona, quando apresentados em seu contexto original (e idioma)? Na verdade, há momentos em que um conceito exclusivo de uma cultura ou linguagem específica, quando a tradução ocorre, não é para ter uma contrapartida direta em outro idioma. Talvez seja digno de consideração, especialmente para aqueles que apenas leem as obras traduzidas de  Jung.



Jung, por ser uma figura creditada por inovar muitos métodos de modificação da compreensão da mente humana, também expressou numerosas crenças, atitudes e práticas incomuns ao longo de sua vida que, segundo os padrões de hoje, podemos rapidamente classificar como insanidade. E, talvez hoje, existam indivíduos semelhantes em nosso meio, capazes de pensar de forma abstrata em relação ao que Jung realizou durante a vida, embora, devido às pressões da sociedade moderna, indivíduos são menos propensos a compreender as suas peculiaridades como fez Jung.


Em meio a seus muitos mistérios pessoais, talvez Jung fosse um dos poucos que desejasse - e com coragem - procurar entender a natureza suprema da humanidade, mesmo dentro de seus aspectos estranhos.

Fonte
Compartilhe no Google Plus


Sobre Luciana Costa

Blogueira, escritora e life coach. Autodidata aplicada, amo psicologia e filosofia. Gosto de mistérios e curiosidades em geral. Esse blog é parte do que mais gosto de descobrir: os mistérios do mundo.

0 comentários:

Postar um comentário