Textual description of firstImageUrl

10 Eventos Paranormais Relacionados a Tragédias em Massa



Muitos eventos paranormais são descritos em grandes tragédias, onde centenas ou milhares de pessoas morrem. Conheça dez desses casos.



















Todos estamos acostumados a contos de supostas assombrações após tragédias particulares. Como a noiva abandonada que apareceu em seu vestido de noiva, embora ela tenha se atirado de uma janela 100 anos antes ou a vítima tentando comunicar sua angústia 30 anos após seu assassinato.

Mas, e os eventos que afetam centenas, senão milhares, de pessoas, incluindo aqueles que sobreviveram? Desastres que as pessoas em todo o mundo costumam observar nos noticiários? Aqui está uma coleção de ocorrências paranormais que foram relatadas em conexão com terríveis tragédias.

1. Morto Vivo


Quando Sorpong Peou tinha dezessete anos, ele testemunhou seu pai Nam, um funcionário do governo, sendo forçado a entrar em um caminhão azul e tirado do Camboja, sua terra natal. Isso ocorreu nos anos sombrios, entre 1975 e 1979, durante os quais se estima que 1,7 milhão de pessoas foram assassinadas pelo Khmer Rouge, liderado por Pol Pot. Desde então, 309 túneis com cerca de 19.000 túmulos de pessoas assassinadas em massa, foram escavados. Por isso, é compreensível, que quando Nam não retornou, Sorpong só poderia aceitar que seu pai era uma das vítimas.

Sorpong e sua família tiveram mais sorte. Depois de chegar a um campo de refugiados na Tailândia, Sorpong, sua mãe e seis irmãos se mudaram para o Canadá em 1982, onde Sorpong passaria a ter uma carreira acadêmica distinta. Avançando para janeiro de 2010,  Sorpong está em Tóquio, onde ele tem um sonho vívido no qual ele caminha e conversa com seu pai. Embora comovido pelo sonho, ele pensou que não era mais do que um sinal de quanto ele ainda sentia falta de seu pai. Ele não sabia que um de seus irmãos estava planejando visitar um psíquico em Ottawa, desejando conselhos sobre seus negócios. Durante a consulta, o psíquico perguntou onde estava o pai, perguntando: "você o vê?" O irmão explicou que ele havia visto seu pai ser tirado de casa quando ele tinha cinco anos e que ele havia sido assassinado. Mas o psíquico informou que não era esse o caso;

Duvidando da informação do psíquico, mas intrigado, o irmão de Sorpong informou ao resto da família. Isso levou a sua irmã, que era cética, a decidir consultar o psíquico sem revelar quem era. O psíquico também informou que seu pai estava vivo. Quando a mãe dos irmãos foi com ela, o psíquico, divulgou a mesma informação. Então, um irmão de Sorpong seguiu em viagem para o Camboja para ver se ele conseguiu rastrear o homem que acreditavam ter sido morto quase trinta anos antes. Ele distribuiu centenas de cartazes de Nam como ele era quatro décadas antes. Ele explorou as cidades fronteiriças tailandesas e os locais de ex-campos de refugiados até que ele finalmente foi dirigido a um homem que disse ser parecido com a fotografia nos panfletos quando era mais novo. Mas, mesmo assim, ele se recusou a acreditar que o canadense poderia ser um de seus filhos. Havia dúvida também no lado do filho, mas lentamente, quando Nam Peou começou a contar histórias e retransmitir informações sobre a família que só ele poderia saber, que pai e filho se reuniram.

Mas como Nam escapou? De fato, ele havia sido levado no caminhão e foi jogado em uma vala e os corpos foram empilhados em cima dele. De alguma forma, ele sobreviveu, mas foi recapturado e torturado antes de escapar para a selva e para a fronteira entre Tailândia e Camboja, onde ele assumiu que sua família não tinha sido tão afortunada quanto ele e tinha sido massacrada. Desde então, ele se casou novamente e teve mais seis filhos, mas ao saber que seu marido agora de 85 anos estava vivo, sua primeira esposa, a mãe de Sorpong, voltou para o Camboja para estar com ele e sua nova família. Ela foi seguida, depois, por um de seus filhos, que abriu um restaurante de frutos do mar e agora cuida de todos. Finalmente, o próprio Sorpong voltou para o país e se reuniu com o pai que já havia visto 36 anos antes. 



2. Loft e Repo


Às 11h42, em 29 de dezembro de 1972, o voo 401 da Eastern Airlines caiu nos pântanos da Flórida. Parecia que, pouco antes do acidente, a equipe de voo percebeu que uma luz indicadora do trem de pouso tinha deixado de funcionar e enquanto eles estavam preocupados com isso, não percebeu que o piloto automático havia trocado de modo. Sem estar ciente até que fosse tarde demais, a aeronave começou a perder lentamente a altitude até que caiu. Setenta e cinco pessoas sobreviveram enquanto 101 morreram.

Entre os mortos estavam o capitão Bob Loft e o engenheiro de vôo Don Repo. Foram estes dois homens que logo começaram a fazer aparições em outros Tri-Stars orientais, em particular, aqueles equipados com peças recuperadas dos destroços de seu avião que caiu. Muitos dos avistamentos foram feitos por mais de uma testemunha ao mesmo tempo, incluindo o tempo em que um capitão de voo e dois assistentes de bordo viram e falaram com o falecido Capitão Loft, antes de testemunhar seu desaparecimento. Eles ficaram tão abalados que cancelaram o vôo. Mesmo o vice-presidente da Eastern Airlines informou ter conversado com um homem que ele assumiu ser o capitão do voo, antes de perceber que era o recém-falecido Loft.

Quanto ao engenheiro de voo Repo, parece que sua aparição tem um cuidado considerável, depois de sua morte, de garantir que os aviões fossem adequadamente vistoriados. Um engenheiro de voo, no meio das verificações de pré-vôo, Repo apareceu e disse: "você não precisa se preocupar com o pré-vôo, eu já fiz isso." Um comissário de bordo descreveu ver Repo corrigir um forno de cozinha, enquanto outra comissário de bordo viu o rosto de Repo aparecer no forno da Tri-star 318. Quando ela falou com dois colegas, os três ouviram Repo dizer: "cuidado com o fogo neste avião". Intrigantemente, o avião, mais tarde, experimentou problemas de motor e a última etapa da jornada foi cancelada. Repo também apareceu a um capitão em outro voo e disse a ele "nunca haverá outro acidente". Não vamos deixar isso acontecer ", levando alguns a questionar se era a culpa em seu erro mortal que levou a suas constantes aparições.

3. A enfermeira do 11 de setembro


Compreensivelmente, a escala das atrocidades realizadas no 11 de setembro resultou em muitas pessoas alegando que experimentaram aparições fantasmagóricas durante e após o ataque. Muitos sobreviventes afirmam que foram levados em segurança por presenças invisíveis. Uma dessas testemunhas afirmou que, ao chegar a uma parede de fogo, ele foi "empurrado" e posteriormente guiado até as escadas da Torre Norte. Outro sobrevivente, tendo ficado preso sob o concreto, descreveu ser visitado por uma aparição reconfortante vestida de monge.

Ainda mais estranho, estão os fenômenos observados por mais de uma pessoa. Um desses avistamentos foi testemunhado pelo agente da polícia de Nova York Sgt. Frank Marra, que ajudou a recolher os restos das vítimas mortas nos dias seguintes ao ataque. Ele relata ter visto uma mulher vestida com um uniforme da Cruz Vermelha da Segunda Guerra Mundial carregando uma bandeja de sanduíches. Ele afirmou que ele acreditava que ela era uma resposta por socorro e não a viu apenas uma vez; Ele a viu algumas vezes a cerca de 50 metros de distância, mas não havia dúvida em sua opinião de que ela parecia ser uma pessoa real. Isso é assustador o suficiente se não fosse um Sgt ter visto. O Sgt Marra teve, um ano depois, um encontro com um detetive aposentado. Nessa época, Marra pensava em colocar a experiência da mulher estranha no livro que estava escrevendo sobre o atentado, quando o detetive pergunta-lhe se ele ouviu as histórias sobre a "antiga enfermeira da Cruz Vermelha, tentando servir sanduíches e café". Foi então que Marra percebeu que ele não tinha sido o único a detectar essa figura misteriosa. E como ninguém disse ser ela ou conhecê-la, ela continua sendo um mistério.

4. Assombrações no Subsolo


Quando o metrô de Londres foi proposto pela primeira vez, em meados do século 19, houve um medo muito real entre algumas pessoas de que os túneis de trilhos sob a terra perturbariam e irritariam o diabo. Além disso, muitas linhas e estações foram construídas através de fundações antigas, como a estação de Aldgate, onde estima-se que 4000 pessoas perderam a vida para a Peste Negra.

Em 2005, as escavações arqueológicas descobriram 238 restos mortais em torno da estação de Aldgate, que se acredita ser devido à praga. Muitos dos corpos foram cortados, devido à construção do metro. Os fenômenos inexplicados são tão comuns na estação de metro de Aldgate que muitos incidêntes foram registrados nos livros de registro dos trabalhadores.

A história mais famosa envolve um funcionário da estação que escorregou e caiu nos trilhos elétricos, fazendo com que 20 mil volts passassem por seu corpo. Ele, de alguma forma sobreviveu, mas seus colegas relatam que viram uma velha senhora fantasmagórica ajoelhar-se ao lado dele e acariciar seus cabelos, antes de ser resgatado vivo.

No entanto, alguns assombrações da estação de metrô estão relacionadas a tragédias mais recentes. Em 1943, os moradores de Bethnal Green, no leste de Londres, ouviram sirenes de ataque aéreo. No pânico que se seguiu a cobrir a estação de metrô, 173 pessoas, principalmente mulheres e crianças, foram pisoteadas até a morte. Pior ainda, o alarme era um teste. Desde então, trabalhadores deixados sozinhos à noite relataram ouvir os gritos de mulheres e crianças. Um trabalhador ficou tão alarmado que correu da estação, tentando fugir dos sons fantasmagóricos.

Mais recente ainda foi o incêndio na estação King's Cross, em 18 de novembro de 1987. O incêndio foi iniciado por um passageiro que, depois de acender seu cigarro, descartou uma partícula acesa enquanto, passava pela escada rolante. O fogo foi alimentado pela graxa e os passos de madeira da escada em movimento, e dentro de 15 minutos as chamas chegaram ao salão e explodiram em uma bola de fogo. Trinta e uma pessoas foram mortas. Desde então, muitos passageiros relatam ter visto uma mulher nova, linda e elegante, com cabelos castanhos, que levanta os braços e grita. Quando ela é abordada e as tentativas são feitas para ajudá-la, ela desaparece. Muitos acham que ela é uma das vítimas do fogo do King's Cross. 



5. O Povo Borboleta de Joplin


As muitas histórias do Povo Borboleta de Joplin são bem parecidas. Um pai ou avô e criança foram apanhados ao ar livre, quando o furacão EF5 chegou, em 22 de maio de 2011. Eles não tiveram tempo para encontrar um lugar para se abrigar. À medida que o tornado os carrega, levantando carros e casas e lançando esses objetos ao redor deles, as pessoas acreditam que não há como eles sobreviverem; eles vão morrer. Mas então, milagrosamente, a tempestade passa, e eles saem ilesos. A criança então olha para o adulto e pergunta:

"Eles não eram bonitos?"
"O que eram tão bonitos?", Pergunta o adulto.
"Você não viu o Povo Borboleta?"

Logo, a história desse Povo Borboelta, que protegeram os moradores do tornado, se espalhou pela cidade. Eles foram compartilhados nas ruas, nos sermões da igreja e as crianças que receberam aconselhamento pelo trauma que sofreram começaram a afirmar que elas também tinham visto esses seres angélicos que os mantiveram seguros e confortados durante o desastre. Quando um mural foi revelado no centro de Joplin para homenagear a cidade e o que esta experimentou, a obra representava grandes e coloridas borboletas. Embora o diretor artístico do projeto do mural, Dave Lowenstein, quisesse enfatizar que as borboletas têm muitos significados simbólicos, outros na cidade sentiram fortemente que havia uma conexão entre as imagens e as experiências sobrenaturais dos habitantes da cidade. "Mesmo no mural", disse um residente. "Há borboletas porque ouviram falar do Povo Borboleta". 

6. Conexões perdidas


Os moradores que vivem perto do Aeroporto Internacional O'Hare, Chicago, muitas vezes relataram receber visitantes estranhos em suas casas. Quando ouviam bater em suas portas, eles disseram encontrar alguém que estava de pé na sua porta explicando que ele "têm que fazer uma conexão" ou "encontrar a bagagem". Antes que os proprietários possam investigar mais, a pessoa desaparece.

Na estrada, nas proximidades, luzes estranhas foram testemunhadas por motoristas, juntamente com figuras inexplicadas vagando ao longo da estrada. Se você puder passar algum tempo no próprio aeroporto, você pode sentir uma queda repentina da temperatura acompanhada de gritos vindos de um campo adjacente.

Esses fenômenos foram atribuídos a um acidente devastador que aconteceu em maio de 1979, quando o American Airlines McDonnell Douglas DC-10, voo 191, caiu logo após a decolagem devido a um dos seus motores cair. Com os tanques de combustível cheios, o avião foi consumido em uma bola de fogo. Todas as 271 pessoas a bordo e duas pessoas no chão foram mortas. A atividade paranormal continua até hoje, e se você é corajoso o suficiente para buscar experiências de primeira mão, então uma empresa local oferece passeios fantasma onde pode-se acampar ao lado do aeroporto por uma noite. 

7. Espírito em Somme


No final da batalha de Somme, que durou quatro meses e meio, mais de um milhão de homens foram mortos ou feridos. Embora você possa esperar que este item contenha uma assombração por um desses mortos, curiosamente, foi alguém que nunca colocou o pé no campo de batalha que fez uma aparência fantasmagórica.

Na manhã de 5 de novembro de 1915, treze dias antes da segunda batalha mais fatal da história, os soldados do 2º Batalhão britânico do Regimento Suffolk testemunharam algo inexplicável. Foi quando as forças alemãs começaram a disparar em suas trincheiras, mas isso não foi o que o capitão WE Newcombe escreveu na edição de agosto de 1919 da Pearson's Magazine. Ele descreveu como ele, pessoalmente, testemunhou uma "luz branca brilhante" que pareceu se levantar da faixa lamacenta entre as duas trincheiras, conhecida como "Terra Sem Homem". Ele passou a descrever como essa luz se transformou na figura de um homem vestindo um uniforme militar desatualizado.

O homem foi rapidamente reconhecido como sendo Lord Kitchener, cujo rosto tinha se tornado famoso pelos milhares de cartazes britânicos de recrutamento em que ele olha e aponta diretamente para o espectador e afirma que "seu país precisa de você". Exceto que Lord Kitchener morreu em junho daquele ano, um mês antes do início da batalha de Somme.

Os disparos britânicos foram deixados fora, mas eles não dissiparam a figura que passou a andar paralelamente às trincheiras de uma maneira que sugeriu que ele estava inspecionando suas tropas. Ele então virou o rosto para o lado alemão, que também viu o espectro, e eles cessaram seu fogo na tentativa de entender o que estavam testemunhando. No entanto, ao ver as chamas, as Unidades de Artilharia Britânicas, a certa distância, entenderam o que era necessário e começaram a disparar granadas sobre as tropas alemãs, que mais uma vez começaram a atirar em defesa. No caos, a figura voltou de onde havia vindo. 

8.  Premonição do Titanic


Houve muitos artigos que assinalaram a aparente e estranha previsão do destino do Titanic na forma de romances que refletem muitos detalhes do navio e sua jornada. Mas, talvez, nem muitas pessoas percebam que o capitão do navio, o próprio Edward J Smith, também parecia ter uma premonição de que todos não iriam ficar bem na viagem inaugural ao outro lado do Atlântico.

Em uma coleção de suas cartas, que foram vendidas em 2016, ele lamenta o fato de ele não estar mais no comando do Cymric, outro navio e, em vez disso, colocado como capitão do Titanic. Mais assustadora é uma carta a sua irmã, escrita apenas dois dias antes que o navio atingisse o iceberg, em que ele escreve: "Ainda não gosto desse navio. . . Tenho um sentimento estranho sobre ele".

O capitão Smith era um marinheiro altamente experiente, que recentemente esteve no navio irmão do Titanic, o Olímpico, quando foi envolvido em uma colisão, mas ele não tinha senão sentimentos carinhosos por esse navio em particular. Por que, então, ele se sentiu tão desconfortável com um navio no qual ele mal havia pisado? Seja qual for o motivo, o fascínio continuou a cercar o capitão condenado, desde então. Muitas histórias surgiram ao seu redor, incluindo a história do Segundo Diretor Leonard Bishop, da SS Winterhaven, que, em 1977, realizava um passeio pelo seu navio com um de seus passageiros. Esse passageiro era um homem quieto e atento, com um sotaque britânico. Na época, Bishop sentiu que havia algo estranho sobre o homem, mas não podia dizer exatamente o que era. Alguns anos depois, ele encontrou uma foto de um capitão de um navio e exclamou: "Eu conheço aquele homem; Eu dei um passeio com ele pelo meu navio. "O homem na fotografia era o Capitão Edward J Smith.

9. "Passageiros Fantasmas" no Japão. . .


Nos anos seguintes, desde o tsunami de Tohoku em 2011, que custou mais de 16 mil vidas, motoristas de táxi, em algumas das cidades mais atingidas, como Ishinomaki, informaram que estão pegando "passageiros fantasmas". Yuka Kudo, estudante de sociologia no Tohuko Universidade de Gakuin, entrevistou mais de 100 motoristas como parte da pesquisa para sua tese de graduação. Todos os motoristas entrevistados acreditavam que estavam pegando uma pessoa real. Eles começaram numerar os eventos, e alguns anotaram suas experiências em livros de registro.

Um dos homens entrevistados afirmou que, alguns meses depois do desastre, ele pegou uma jovem mulher que pediu para ser levada para o distrito de Minamihama. Ele explicou a ela que não restava nada. Tudo estava destruído. O taxista contou, então, que a passageira perguntou: "eu morri?" E que, quando ele se virou para olhar para ela, ela se foi.

Outro motorista descreveu como ele havia conduzido um jovem de vinte anos para uma parte da cidade solicitada, mas que, quando ele chegou, encontrou-se, de repente, sozinho. Curiosamente, todos os passageiros fantasmagóricos foram descritos como jovens, e a Sra. Kudo acredita que "os jovens se sentem fortemente inconformados[em suas mortes] quando não podem encontrar as pessoas que amam", e "como eles querem transmitir a sua amargura, eles podem ter escolhido os táxis como meio para fazer isso".

Nenhum dos motoristas relatou sentir medo nesses encontros. Yuka Kudo afirmou (através das entrevistas): "Aprendi que a morte de cada vítima tem importância. . . Eu quero transmitir isso ". 



10.  . . . e na Tailândia.


Os "passageiros fantasmas" não estão apenas limitados ao Japão. Após o tsunami causado pelo terremoto no Oceano Índico em 2004, os moradores da costa de Andaman, na Tailândia, começaram a denunciar serem assombrados de algumas das 230 mil vítimas que foram tragicamente mortas.

Quase duas semanas após a tragédia, Lek, um motorista de minivan de Tuk-tuk, descreveu sete turistas estrangeiros que entraram em sua van e pediram para serem levados para a praia de Kata, por 200 baht. Mas depois de dirigir por um tempo, Lek disse que sentiu seu corpo ficar entorpecido e, olhando ao redor, encontrou-se sozinho no veículo. Mas, ao contrário dos taxistas japoneses que não sentiam medo por essas aparições, Lek afirma: "Não consigo superar isso. Eu vou ter que conseguir outro emprego. Eu tenho uma filha para criar, mas estou com muito medo de sair dirigindo de noite ".

Outros habitantes locais também ficaram assustados com as aparições que vagavam por sua comunidade. Um guarda de segurança que trabalhou em um hotel que foi o local de muitas vítimas, deixou seu posto pouco depois do desastre, afirmando ouvir os gritos de uma mulher que se acredita ser uma hóspede que foi morta.

E em Khao Lak, uma família disse que seu telefone tocava constantemente, mas quando atendiam, todos eles podiam ouvir os gritos de seus parentes implorando por serem resgatados das chamas do crematório.

Compartilhe no Google Plus


Sobre Luciana Costa

Blogueira, escritora e life coach. Autodidata aplicada, amo psicologia e filosofia. Gosto de mistérios e curiosidades em geral. Esse blog é parte do que mais gosto de descobrir: os mistérios do mundo.

0 comentários:

Postar um comentário