Textual description of firstImageUrl

A Reencarnação é Real? Histórias Documentadas pela Ciência como Evidências de Vidas Passadas



Seria a reencarnação real? A ciência tem buscado provas para autenticar essa teoria. Conheça algumas dessas histórias já documentadas pela ciência.



















Há evidências de que, pelo menos algumas e, possivelmente, todas as pessoas já existiram em outro corpo e viveram outra existência. Quando "memórias" anômalas aparecem como lembranças pessoais, aqueles que as experimentam tendem a acreditar que elas derivam de sua própria vida anterior. No entanto, as memórias que emergem na consciência provavelmente não são lembranças da vida passada.

Em vez disso, elas parecem ser "experiências do tipo reencarnação". Esse último também é generalizado. Histórias sugestivas de reencarnação não são limitadas, seja geograficamente ou culturalmente. Elas ocorrem em todos os cantos do planeta e entre pessoas de todas as culturas.

Há, naturalmente, mais na reencarnação do que nas lembranças. Para que a reencarnação tenha ocorrido de fato, a consciência da personalidade externa deve ter entrado no corpo do sujeito que relata a experiência. Na literatura esotérica, isso é conhecido como a transmigração do espírito ou da alma. Dizem que ocorre no útero, talvez já na concepção ou pouco depois, quando os pulsos rítmicos começam a se desenvolver no coração do embrião.

O espírito ou alma de um indivíduo não migra necessariamente para outro indivíduo. Os ensinamentos budistas, por exemplo, nos dizem que a alma ou o espírito nem sempre reencarnam no plano terrestre e na forma humana. Pode não se reencarnar, evoluindo para um domínio espiritual de onde ele não retorna ou retorna apenas para cumprir uma tarefa que deveria realizar em sua encarnação anterior.

Mas o que nos interessa aqui é a possibilidade de que a reencarnação possa realmente ocorrer. A consciência que foi a consciência de uma pessoa viva reaparece na consciência de outra pessoa? Em seu livro The Power Within, o psiquiatra britânico Alexander Cannon escreveu que as evidências nesse ponto são muito fortes para serem omitidas:

"Durante anos, a teoria da reencarnação foi um pesadelo para mim e fiz o meu melhor para refutá-lo e até discuti com meus assuntos de trance no sentido de que eles falavam bobagens. No entanto, com o passar dos anos por um assunto, outro me contou a mesma história, apesar das diferentes e variadas consciências conscientes . Agora, bem mais de mil casos foram tão investigados e tenho que admitir que existe uma coisa como a reencarnação."

Variações e variáveis ​​em experiências do tipo reencarnação


Talvez a principal variável seja a idade da pessoa que tenha uma experiência do tipo reencarnação. Aqueles que a tem são, principalmente, crianças entre as idades de dois e seis anos. Após a idade de oito anos, as experiências tendem a desaparecer e, com poucas exceções, desaparecem inteiramente na adolescência.

A maneira pela qual a personalidade reencarnada morreu é mais uma variável. Aqueles que sofreram uma morte violenta parecem ser mais frequentemente reencarnados do que aqueles que morreram de forma natural.

As histórias de reencarnação tendem a ser claras e distintas em crianças, enquanto que em adultos são, na sua maioria indistintos, aparecendo como lembranças e impressões vagas. O mais difundido entre eles é o déjà vu: reconhecer um lugar ou um acontecimento que se vê pela primeira vez como familiar. A sensação de déjà vu, encontrar uma pessoa pela primeira vez com a sensação de conhecê-la antes, também ocorre, mas com menos frequência.


As histórias de reencarnação transmitem informações, provas e evidências verificáveis ​​sobre lugares, pessoas e eventos que foram testados em referência a testemunhos de pessoas e certificados de nascimento e residência. As experiências muitas vezes são corroboradas por testemunhas, bem como por documentos. Às vezes, até detalhes mínimos correspondem a eventos reais, pessoas e lugares.

As histórias de reencarnação vívida são acompanhadas por padrões de comportamento correspondentes. Os comportamentos sugestivos da personalidade reencarnada aparecem mesmo quando essa personalidade foi de uma geração diferente e de um gênero diferente. Uma criança pequena poderia manifestar os valores e comportamentos de uma pessoa idosa do sexo oposto da vida passada.

A pesquisa pioneira sobre histórias recentes de reencarnação é o trabalho de Ian Stevenson , um psiquiatra canadense-americano que trabalhou na Faculdade de Medicina da Universidade da Virgínia. Durante mais de quatro décadas, Stevenson investigou as experiências do tipo reencarnação de milhares de crianças, tanto no Ocidente como no Oriente. Algumas das lembranças da vida passada relatadas pelas crianças foram verificadas como a experiência de uma pessoa que tinha vivido anteriormente, e cuja morte corresponde às impressões relatadas pela criança. Às vezes, a criança carregava uma marca de nascimento associada à morte da pessoa com quem ele identificou, como uma marca ou descoloração na parte do corpo onde uma bala fatal entrou, ou uma malformação na mão ou no pé do falecido perdido. [Leia: As Marcas de Nascença são Evidências de Mortes Violentas em Vidas Passadas?]

Em um ensaio pioneiro publicado em 1958, "The Evidence for Survival from Claimed Memories of Former Incarnations"(A Evidência de Sobrevivência de Memórias Reclamadas de Encarnações Anteriores), Stevenson analisou a evidência das histórias de reencarnação de crianças e apresentou narrativas em sete dos casos. Estes casos da vida passada revelaram-se verificáveis, com os incidentes relatados pelas crianças gravadas em periódicos e artigos frequentemente obscuros.

Provas de Reencarnação: Histórias de Experiências de Vidas Passadas 


1. O caso de Ma Tin Aung Myo


Um caso relatado por Stevenson envolveu uma garota birmanesa chamada Ma Tin Aung Myo. Ela afirmou ser a reencarnação de um soldado japonês morto durante a Segunda Guerra Mundial. O caso abrange enormes diferenças culturais entre a pessoa que denuncia as experiências e o indivíduo cujas experiências ela reporta.

Em 1942, a Birmânia estava sob ocupação japonesa. Os Aliados bombardearam regularmente as linhas de abastecimento japonesas, particularmente as ferrovias. A vila de Na-Thul não foi exceção, perto da importante estação ferroviária de Puang. Os ataques regulares tornaram a vida muito difícil para os aldeões, que estavam tentando o melhor para sobreviver. Na verdade, a sobrevivência significava se dar bem com os ocupantes japoneses. Para a aldeã Daw Aye Tin (que mais tarde seria a mãe de Ma Tin Aung Myo), isso significava discutir os méritos relativos da comida birmanesa e japonesa com o cozinheiro do exército japonês vulgar e sem camisa que estava numa barraca na aldeia.

A guerra terminou, e a vida voltou a uma aparência de normalidade. No início de 1953, Daw encontrou-se grávida de seu quarto filho. A gravidez era normal, com a estranha exceção de um sonho recorrente no qual o cozinheiro japonês, com quem havia perdido o contato há muito tempo, a seguiria e anunciava que ele viria ficar com sua família. Em 26 de dezembro de 1953, Daw deu à luz uma filha e chamou-a de Ma Tin Aung Myo. O bebê era perfeito com uma pequena exceção: uma marca de nascença do tamanho de um polegar, na virilha.

À medida que a criança cresceu, notou-se que ela tinha um grande medo de aeronaves. Toda vez que alguma sobrevoava a aldeia, ela ficava agitada e chorava. Seu pai, U Aye Maung, ficou intrigado com isso, já que a guerra havia terminado muitos anos e os aviões eram, agora, simplesmente máquinas de transporte e não armas de guerra. Era estranho que Ma estivesse com medo de que a aeronave disparasse contra ela. A criança tornou-se cada vez mais morosa, afirmando que queria "ir para casa". Mais tarde, "casa" tornou-se mais específico; ela queria voltar para o Japão. Quando perguntado por que isso, ela declarou que tinha memórias de ser um soldado japonês com base em Na-Thul. Ela sabia que tinha sido morta pela metralhadora de uma aeronave, e era por isso que ela temia tanto os aviões.

Quando Ma Tin Aung Myo cresceu, ela acessou mais memórias da vida passada e de sua personalidade anterior. Mais tarde, ela contaria a Ian Stevenson que ela lembrou que a personalidade anterior veio do norte do Japão e que ele tinha cinco filhos, o mais velho era um menino e que ele havia sido um cozinheiro do exército. A partir daí, as lembranças da vida passada tornaram-se mais precisas. Ela lembrou que ela (como o soldado japonês) estava perto de uma pilha de lenha ao lado de uma acácia. Ela descreveu vestindo calças curtas e sem camisa. Um avião aliado a avistou e atacou a área que rodeava. Ela correu para o abrigo: quando fez isso, foi atingida por uma bala na virilha, que a matou instantaneamente. Ela descreveu o avião como tendo duas caudas. Este foi mais tarde identificado como evidência substancial de reencarnação, sendo um Lockheed P-38 Lightning.

Na sua adolescência, Ma Tin Aung Myo mostrou traços masculinos distintos. Ela cortou o cabelo e recusou-se a vestir roupas femininas.

Entre 1972 e 1975, Ma Tin Aung Myo foi entrevistada três vezes sobre suas memórias de reencarnação por Ian Stevenson. Ela explicou que queria se casar com uma mulher e tinha uma namorada firme. Ela disse que não gostava do clima quente da Birmânia nem da comida picante. Ela preferia os pratos de curry altamente adoçados. Quando era mais nova, adorava comer peixe semi-cru, só perdendo essa preferência quando um osso de peixe ficou preso na garganta.

2. Tragédia nos Campos de Arroz


Stevenson descreveu como uma garota do Sri Lanka se lembrava de uma vida passada em que se afogara num campo de arroz inundado. Ela descreveu que um ônibus tinha passado e a respingou com água antes de morrer. Pesquisa subsequente em busca da prova dessa reencarnação descobriu que uma menina em uma vila próxima se afogou depois que ela recuou para evitar um ônibus que passava, enquanto caminhava em uma estrada estreita, acima dos campos de arroz inundados. Ela caiu para trás em águas profundas e morreu. A menina que manifestou essa experiência teve, desde muito cedo, um medo irracional dos ônibus; ela também ficava histérica se fosse levada para perto de águas profundas. Ela gostava de pão e gostava de comida doce. Isso era incomum, na medida em que sua família não gostava. No entanto, a personalidade anterior foi identificada para ambas as preferências. 


3. O caso de Swarnlata Mishra


Outro caso típico de Stevenson foi o de Swarnlata Mishra, nascida em uma pequena aldeia em Madhya Pradesh, em 1948. Quando ela tinha três anos, ela começou a ter lembranças espontâneas da vida passada de ser uma garota chamada Biya Pathak, que morava em uma aldeia mais de cem milhas de distância. Ela descreveu que a casa que Biya vivia tinha quatro salas e estava pintada de branco.

Ela começou a cantar músicas que ela alegou que costumava conhecer, juntamente com passos de dança complexas que eram desconhecidas para sua família e amigos presentes. Seis anos depois, ela reconheceu algumas pessoas que tinham sido suas amigas na vida passada. Isso estimulou seu pai a começar a escrever o que ela dizia e a procurar a prova de sua reencarnação.

Seu caso gerou interesse fora da aldeia. Um investigador que visitou a cidade descobriu que uma mulher que combinava com a descrição dada por Swarnlata havia morrido nove anos antes. As investigações confirmaram posteriormente que uma jovem chamada Biya vivia na mesma casa daquela cidade.

O pai de Swarnlata decidiu levar sua filha para a cidade e mandá-la a membros da família de Biya. Como uma prova para ver se ela realmente era uma personalidade reencarnada, a família apresentou pessoas que não estavam relacionadas à criança. Swarnlata imediatamente identificou esses indivíduos como sendo impostores. Na verdade, alguns detalhes de suas memórias de vida passadas eram tão precisos que todos ficaram maravilhados.

4. Patrick Christenson e seu irmão


Um caso que oferece uma prova substancial de reencarnação é o de Patrick Christenson, que nasceu por cesariana, em Michigan em março de 1991. Seu irmão mais velho, Kevin, morreu de câncer doze anos antes, com idade de dois anos. A evidência precoce do câncer de Kevin foi apresentada seis meses antes da morte quando ele começou a andar e teve um problema na coxa. Um dia ele caiu e quebrou a perna. Os testes foram realizados, e depois de uma biópsia em um pequeno nódulo no couro cabeludo, logo acima da orelha direita, descobriu-se que o pequeno Kevin tinha câncer metastático. Em breve, tumores foram encontrados em outros locais do corpo. Um cresceu de tal maneira que fez com que seu olho se projetasse e, eventualmente, resultou em cegueira naquele olho. Kevin recebeu quimioterapia, o que resultou em cicatrizes no lado direito do pescoço. Ele, então, morreu de sua doença.

Ao nascer, Patrick tinha uma marca de nascença com a aparência de um pequeno corte no lado direito do pescoço, exatamente no mesmo local da cicatriz de quimioterapia de Kevin, mostrando evidências surpreendentes de reencarnação. Ele também tinha um nódulo no couro cabeludo logo acima da orelha direita e uma nuvem em seu olho esquerdo, que foi diagnosticado como um leucoma da córnea. Quando ele começou a caminhar foi com um medo distinto, novamente, oferecendo mais uma prova de reencarnação.

Quando ele tinha quase quatro anos e meio, ele disse a sua mãe que queria voltar para sua velha casa laranja e marrom. Esta era a coloração exata da casa em que a família vivia em 1979, quando Kevin estava vivo. Ele então perguntou se ela lembrou-se de ele ter uma cirurgia. Ela respondeu que não podia porque isso nunca aconteceu com ele. Patrick então apontou para um lugar logo acima de sua orelha direita. Ele acrescentou que não se lembrava da operação real porque estava dormindo, o que era consistente com os detalhes da vida passada de Kevin.

5. Memórias ancestrais de Sam Taylor


Outro caso que oferece prova substancial de reencarnação envolveu um menino de dezoito meses chamado Sam Taylor. Quando sua fralda estava sendo trocada, ele olhou para o pai e disse: "Quando eu tinha sua idade, eu costumava mudar suas fraldas". Mais tarde, Sam divulgou detalhes sobre a vida do avô que eram completamente precisos. Ele disse que a irmã do avô tinha sido assassinada e que sua avó havia feito milkshakes para o avô usando um processador de alimentos. Os pais de Sam foram inflexíveis ao dizer que nenhum desses assuntos havia sido discutido em sua presença. Quando ele tinha quatro anos, foi mostrado a Sam um grupo de velhas fotos familiares espalhadas em uma mesa. Sam, felizmente, identificou seu avô toda vez com o anúncio: "Esse sou eu!" Na tentativa de testá-lo, sua mãe selecionou uma fotografia da velha escola que mostra o avô como um menino. Havia dezesseis outros meninos na fotografia. Sam imediatamente apontou para um deles, mais uma vez anunciando que era ele. Ele estava certo.

O que as evidências nos dizem

As experiências do tipo reencarnação podem ser vivas e convincentes, na medida em que parecem ser testemunhos e evidências de que uma personalidade viva anteriormente foi encarnada em outra pessoa. Essa crença é reforçada pela observação de que as marcas de nascença no corpo do indivíduo  correspondem às características corporais da pessoa que ele ou ela parece encarnar. O caso é mais surpreendentemente quando a personalidade da vida passada sofreu lesões corporais. As marcas ou deformações correspondentes, às vezes, reaparecem na pessoa, parecendo oferecer a prova de que a reencarnação realmente ocorreu.


Muitos observadores deste fenômeno, incluindo o próprio Stevenson, consideraram que coincidir com marcas de nascença são evidências significativas de reencarnação. No entanto, a coincidência de marcas de nascença e outras características corporais em uma criança com o destino de uma pessoa anteriormente existente não é necessariamente garantia de que essa pessoa está reencarnada na criança. Também pode ser que o cérebro e o corpo da criança com as marcas de nascimento e as características corporais foram especialmente adaptadas para recordar a experiência de uma personalidade com marcas de nascimento e deformidades análogas.

Estas histórias sobre a reencarnação é extraída de The Immortal Mind: Science and the Continuity of Consciousness beyond the Brain por Ervin Laszlo e colaborador Anthony Peake com permissão da editora Interna Traditions International. InnerTraditions.com

Fonte
Compartilhe no Google Plus


Sobre Luciana Costa

Blogueira, escritora e life coach. Autodidata aplicada, amo psicologia e filosofia. Gosto de mistérios e curiosidades em geral. Esse blog é parte do que mais gosto de descobrir: os mistérios do mundo.

0 comentários:

Postar um comentário