Textual description of firstImageUrl

As Melhores e Mais Estranhas Histórias de Encontros com Extraterrestres



Conheça as mais intrigantes, estranhas e bizarras histórias de encontros com seres extraterrestres.


















Histórias de contatos imediatos do terceiro grau, nas quais os seres humanos tem contato direito com seres alegadamente de outro planeta são, por natureza, impressionantes e "do outro mundo", não é? Não há como negar que esta é uma área que vai além dos limites do estranho e há alguns casos que beiram ao surreal e profundamente bizarro. Dos duendes espaciais aos cérebros flutuantes, às bolhas amorfas do além e extraterrestres que podem caber na palma da sua mão, aqui veremos os mais estranhos casos, quando se trata de um suposto contato com seres extraterrestres.

Uma das primeiras, mais estranhas e, de fato, mais famosa dessas histórias, que é tão bizarra que nem parece ser verdade, é o caso que se tornou conhecido como os Duendes de Hopskinsville. A história começa em uma fazenda rural remota nas imediações do Condado de Christian, Kentucky, na Old Madisonville Road, perto da cidade de Hopkinsville, na noite de 21 de agosto de 1955. Nesta noite tranquila, a família Sutton teve um convidado por o nome de Billy Ray Taylor, bem como sua esposa onde, num dado momento, Taylor saiu para pegar um pouco de água do poço, antes do pôr do sol. Quando ele seguiu em direção ao poço, ele teve uma visão estranha no céu, que parecia uma luz estelar e que soltava faíscas e chamas multicoloridas por todos os lados.

Voltando para casa, ele disse com entusiasmo a todos sobre o que acabara de ver, mas na época, ninguém realmente acreditou nele e achavam que ele estava apenas inventando, apesar de seu evidente medo e insistência de que ele realmente tinha visto algo. Por mais cético que fosse o resto da família, eles logo mudariam de pensamento, quando o cão começou a latir violentamente para algum intruso invisível lá fora, no escuro. Olhando para fora, percebeu-se que o que, inicialmente, parecia ser apenas uma luz fraca que, aparentemente, estava se aproximando da casa, descobriu-se que era uma das criaturas mais estranhas que alguém já tinha visto ou mesmo imaginado.


Ali, no ar, havia uma pequena figura humanoide incandescente em torno de 10 cm de altura vestindo um tipo de terno metálico. Foi descrito como tendo uma pele esverdeada, olhos abaulentos e uma cabeça careca de grandes dimensões com orelhas de morcego e uma grande boca sem lábios que se estendia pelo rosto. O corpo era magro, e seus braços eram longos, cônicos como de aranhas, inclinados com o que parecia ser garras. Os Suttons, assustados, rapidamente fizeram o que um ser humano faria. Pegaram um rifle e uma espingarda enquanto o objeto pairava lá fora, e quando chegou perto o suficiente, eles dispararam sobre aquilo. Embora pensassem ter atingido, a criatura simplesmente se virou e recuou para as sombras. Pouco depois disso, a cabeça de outro, não sabia se era a mesma criatura ou outra, espiou através de uma das janelas.



Curiosos quanto ao fato de terem machucado ou não a coisa, Taylor e o pai de Sutton, John Charley Sutton, se arrastavam cautelosamente para fora, segurando as armas, e lançaram um olhar furtivo ao redor. No começo, não havia nada, mas Taylor soltou um grito quando uma mão de garras, supostamente, desceu pela entrada da porta dos fundos e agarrou sua cabeça, conseguindo pegar um punhado de cabelo, quando Sutton puxou seu amigo de volta e bateu porta. O filho mais velho de Sutton, Lucky Sutton, de 24 anos, abriu a porta e atirou no telhado com sua espingarda, após a qual a criatura flutuou no chão, aparentemente ferida e correu.

Logo após esse acontecimento estranho, apareceram outras criaturas semelhantes em aparência ao original que haviam visto naquela noite, e ficou evidente que estavam sob cerco por todo um grupo de criaturas, mais ou menos de 10 a 15 deles. Durante as próximas três horas, os sons da noite rural do Kentucky foram pontuados pelos tiros de espingarda, enquanto os misteriosos monstros flutuantes passavam pela casa, onde a família se encolhia dentro e atirava neles. Em sua maior parte, as balas se perdiam na escuridão não conseguiam atingir o alvo ou foram ineficazes, como as poucas que atingiram, ocasionalmente, fazendo sons metálicos, como "uma moeda que bateu um balde de metal", como se as criaturas fossem feitas aço. Tudo isso aconteceu em meio a uma névoa verde fraca iluminando de algum lugar, à distância.


Uma vez que a casa não tinha serviço de telefone, a família estava à mercê dos monstros à espreita, incapazes de chamar alguém para ajudar e ficando, lentamente, sem munição. Em algum momento, a atividade cessou e os passos implacáveis, aparentemente agressivos ​​das criaturas na casa, cessaram. Vendo isso como uma chance de fugir de lá, a família e seus convidados se empilharam em seus carros e aceleraram em direção à cidade, onde informaram prontamente a polícia, bastante atônita, do que aconteceu com eles. Por mais céticos que fossem, os oficiais, no entanto, entraram na fazenda para dar uma olhada, mas não encontraram nenhum sinal das criaturas "duendes" relatadas, além do dano infligido por todos os tiros. Dizem que o pessoal da Força Aérea também chegou à fazenda para investigar a ocorrência estranha.

A polícia os deixou, sem incidentes e a família voltou para sua casa, mas logo depois de um segundo ataque ocorrer, os rostos brilhantes começaram a florescer da escuridão mais uma vez, para horror da família. Mais uma vez, os criaturas bizarras vieram até a fazenda, flutuando, apareciam nas janelas e passavam correndo pelo telhado, quando a família mais uma vez abriu fogo, e isso continuou até o amanhecer, quando os intrusos estranhos foram perseguidos e dessa vez não voltaram. Desde o dia seguinte, o encontro dramático e assustador foi estampado em todos os jornais da área, vindo tornar-se uma notícia nacional, enquanto os repórteres e os curiosos iam em direção a fazenda. Assim, repórteres e caçadores de monstros acamparam na propriedade com a esperança de verem as criaturas por si mesmos.



Parece um filme de terror, de tão incrivelmente dramático e bizarro o ocorrido, e permaneceu como uma das mais estranhas histórias de UFO de todos os tempos. Até o dia de hoje, o incidente dos Duendes de Hopkinsville foi gravado e escrito inúmeras vezes e tornou-se um dos mais estranhos e mais conhecidos encontros extraterrestres no mundo. O que aconteceu com essas pessoas e o que as atacou, aparentemente? O que essas coisas queriam? Isso, de alguma forma, foi real? Se foi, então, o que quer que fosse, uma coisa parece clara: Eles, certamente, não receberam a mais calorosa recepção da Terra.

Outros relatórios inexplicáveis ​​e estranhos de encontros alienígenas também foram feitos em toda a década de 1950. Em 1957, uma professora aposentada chamada Mary Starr, supostamente acordou no meio da noite em sua casa, em Old Saybrook, Connecticut, nos EUA, para ver uma luz penetrantemente brilhante vinda da janela do quarto. O objeto foi descrito como flutuando sobre seu quintal, e parecia ser um tipo de uma grande embarcação, com janelas retangulares em seus lados. Fascinada pelo que ela estava vendo, Starr então mirou em uma das janelas e podia ver duas entidades decididamente bizarras que se moviam lá dentro, com cerca de um metro e meio de altura. De acordo com a testemunha, eles tinham cubos translúcidos nas cabeças, segurando dentro deles, núcleos vermelhos brilhantes, corpos de borracha que eram como "saias", e apêndices sem mão, semelhante a tentáculos. Depois de um momento observando os seres estranhos, eles sumiram.


No ano seguinte, em 1958, aconteceu uma história estranha da Suécia, na qual as testemunhas Stig Rydberg e Hans Gustafsson alegaram estarem dirigido ao longo de uma estrada remota através de uma neblina grossa, por volta das 3 da manhã, quando descobriram um OVNI medindo cerca de 3 metros e meio de diâmetro e rodeado por quatro "sacos de geleia" que eram de cor azul e que saltavam descontroladamente através do ar, ao redor da nave principal. Quando os dois homens pararam o carro para observar a visão incomum, as quatro entidades, então, descenderam e os atacaram, demonstrando algum tipo de poder de sucção com o qual eles agarraram os dois e começaram a puxá-los. As duas testemunhas, horrorizadas, alegaram que tentaram fugir, mas que seus braços e pernas simplesmente se afundaram em corpos compostos por um excesso de gelatina que cheirava a "éter e salsicha queimada". De alguma forma, Rydberg conseguiu se libertar, depois que ele se jogou no capô do carro e isso, aparentemente, assustou as criaturas o suficiente para que eles deixassem o outro homem e se retirassem para a nave para sumir  na noite numa velocidade astronômica. Os dois homens disseram que ficaram doentes por dias após o encontro com as "geleias espaciais".



A década de 1970 realmente trouxe uma riqueza de encontros extraterrestres incrivelmente estranhos e bizarros, e alguns dos melhores podem ser encontrados neste período. Em 19 de agosto de 1970, houve um encontro curioso no país da Malásia. Neste dia, seis crianças estavam jogando em uma área florestal quando um pequeno OVNI medindo cerca de 3 metros de comprimento veio pousar em uma clareira, após o qual cinco humanóides em miniatura, de 3 polegadas de altura, desceram do veículo usando trajes espaciais azuis estranhos e um capacete amarelo adornado com espigas. Os seres diminutos passaram para uma árvore e pareciam estar se ocupando com a instalação de algum tipo de dispositivo mecânico na árvore. Uma das crianças passou e tentou agarrar uma das pequenas criaturas que, imediatamente, atirou nela com uma "arma de raio", ferindo sua coxa. Curiosamente, os mini UFOs e seres humanoides na Malásia, bem como as testemunhas, são crianças.

No ano seguinte, em 17 de agosto de 1971, houve um encontro alienígena, talvez diferente, em Palos Verdes, Califórnia. As testemunhas John Hodges e Pete Rodriguez iam para o carro às 2 da manhã quando viram, pelas árvores, um leve e misterioso brilho que emanava do céu. Eles entraram em seu carro, ligaram os faróis e foram atingidos por feixes de luz vindos do que foi descrito como duas grandes entidades azul-turquesas que pareciam cérebros humanos desencarnados, pairando no meio da estrada e rodeados por nuvens de vapor que pareciam agarrar-se a eles. O maior dos "cérebros" foi descrito como tendo um olho vermelho proeminentemente definido dentro dele, e que começou a se mover para o veículo com objetivo desconhecido.


Os dois homens, aterrorizados, compreensivelmente, saíram dali o mais rápido possível, e depois perceberam que tinham perdido duas horas. Em 1976, Hodges sofreu uma regressão hipnótica após anos atormentado por pesadelos e, perguntaram o que aconteceu com eles naquela estrada solitária. Sob a hipnose, Hodges revelou que ele havia deixado Rodríquez em casa e chegou à sua própria casa para encontrar o cérebro maior esperando por ele lá, o que lhe falara telepaticamente. Ele afirmou que ele tinha sido levado para a nave do cérebro, até algum tipo de "sala de controle", onde foi revelado que eles eram apenas ferramentas telepáticas usadas por outros alienígenas, desta vez mais semelhante aos alienígenas "cinza" tipicamente descritos em relatórios mais comuns, embora neste caso, eles tivessem mais de 7 metros de altura.



Esses alienígenas mestres, aparentemente, mostraram a Hodges várias imagens de guerra nuclear e destruição, explicando que a raça humana tinha crescido muito poderosa para seu próprio bem. Também foi mostrado outro planeta completamente destruído por outra raça que encontrou o mesmo destino, e foi admoestado que a humanidade seria o "instrumento de seu próprio destino", dizendo-lhe: "Tome tempo para entender. O tempo aproxima-se quando você precisar!". Hodges então diz que ele sentiu uma sensação de zumbido potente na parte de trás da cabeça e se encontrou de volta em seu próprio carro. Nos anos seguintes, ele ficou convencido de que esses alienígenas o implantaram com o que ele chamou de "célula de tradutor", e que ele recebia comunicações telepáticas frequentes deles através deste dispositivo, em que eles fizeram previsões terríveis, como uma guerra apocalíptica no Oriente Médio e o futuro uso generalizado de armas nucleares. Se você acha que esta história e seus "cérebros espaciais" não têm alguma verdade, você tem que admitir que é uma história estranha e bizarra.

Também é bastante incomum o encontro relatado por Charles Hickson e Calvin Parker, que em 11 de outubro de 1973, estavam pescando no rio Pascagoula no Mississippi. Ao lançar suas linhas, de repente, começaram a ouvir uma série de estranhos sons sibilantes e zumbidos vindo de trás deles. Quando eles se viraram para olhar, eles se viram cara a cara com uma nave espacial em forma de ovo que pairava sobre o rio não muito longe, e uma porta então abriu para dela sair criaturas desconcertantes que realmente desafiam qualquer classificação fácil. Ali, de pé, na entrada da nave, havia três seres de 2 metros de altura com uma pele cinza e enrugada e saliências finas, saindo de suas cabeças. As mãos e os pés pareciam pinças e os olhos e as bocas eram apenas fendas.


Os dois homens ficaram em choque ao ver tal coisa, e perceberam que estavam, de alguma forma, paralisados ​​por uma força invisível, o que os manteve colados em seu lugar. Presos como estavam, as duas testemunhas se tornaram presas fáceis para os extraterrestres estranhos, que os arrancaram e os arrastaram a bordo de sua nave espacial. Hickson, mais tarde, afirmou que ele foi levado a bordo da nave até uma sala com uma luz cegante, no qual ele foi submetido a um exame por uma sonda robótica em forma oval. Depois de cerca de 20 minutos, os dois foram depositados de volta Às margens do rio e a nave misteriosa se foi. Hickson então afirmou ter encontrado Parker na margem do rio também em um estado bastante desgrenhado, chorando e orando a Deus.



Os dois voltaram para o carro e ficaram sentados, em choque, por tempo indeterminado, antes de irem para casa. Mais tarde, eles entraram em contato com a Base da Força Aérea de Kessler e o xerife local, contando a bizarra história, e aconteceu exatamente como você pensou. Ninguém realmente acreditou na história, mas o caso, inevitavelmente, se espalhou sobre os jornais locais, logo depois. Hickson, em particular, passou a dar entrevistas sobre o assunto e até mesmo ajudou a publicar um livro sobre todo o incidente chamado UFO Contact at Pascagoula, enquanto Parker afastou-se do centro das atenções e, eventualmente, saiu do estado para evitar a constante atenção da mídia. Por sua vez, Parker afirmou que ele havia desmaiado no início da provação e só acordou depois que  tudo terminou, apenas lembrando pedaços da história, sob hipnose.

O caso foi investigado por alguns dos mais eminentes pesquisadores de OVNI da época, que na maior parte concordaram que os homens, pelo menos, realmente acreditavam que o que tinham visto era real. O caso dos extraterrestres de Pascagoula tem sido confrontado por uma boa quantidade de ceticismo. Foi chamado de tudo, desde uma alucinação compartilhada até uma mentira bem elaborada, que foi se complicando pelo fato de que a versão de Hickson parecia cada vez mais bizarra e complexa com o passar do tempo. Sugeriu-se que eles tiveram uma experiência imaginária compartilhada, que eles estavam bêbados, ou mesmo que eles estavam tendo alucinações pelo uso LSD na época, mas ninguém realmente sabia o que aconteceu, exceto as duas testemunhas.


Passando para 1977, há uma estranha história de Lee Parish, de 19 anos, que, em 27 de janeiro de 1977, afirmou ter visto um UFO retangular no céu, antes de ser levado pelo ar por um feixe de luz, enquanto dirigia para casa. Ele então se encontrou dentro de uma espécie de nave espacial, onde foi apresentado a três seres muito estranhos. Uma das entidades foi descrita como sendo uma "lápide" negra de 6 metros de altura, com um braço robótico que se estendia a sua frente. Outra das coisas era menor e parecia um tipo de um prisma vermelho, enquanto a outra era de 2 metros de altura e descrita como um prisma branco imóvel com dois braços robóticos e uma cabeça de "cunha", que produzia ruídos estranhos como dentes sendo escovados.



Na época, Lee tinha o forte sentimento de que o branco era o líder, embora ele não soubesse por que ele tinha essa impressão. Durante o encontro, o vermelho foi visto como o mais ansioso, aparentemente com medo de seu convidado humano e se escondeu atrás dos outros, embora, em certo momento, estendesse um braço robótico para tentar tocá-lo, o que produziu uma sensação vaga e perturbadora de frieza e dor. Eventualmente, os três seres se alinharam e pareciam juntar-se, após o que Lee sentiu que um calor permeou seu corpo e logo se encontrou de volta em seu veículo, juntamente com 38 minutos de tempo faltando. É um pouco estranho, para dizer o mínimo.

Ainda em 1977, chegamos a Paciência, no Brasil, onde a motorista de ônibus de 33 anos, Antonia La Rubia, estava se dirigindo para o trabalho, quando ela avistou um objeto bastante estranho em forma de "enorme chapéu largo", pousado em um campo. Logo depois, o misterioso objeto atacou-a com um feixe de luz fino e brilhante, que pegou Antônia e a levou para uma sala de cor branco puro. Dentro desta sala havia vários seres de aparência mecânica com escamas brilhantes e braços como tentáculos, bem como corpos e cabeças em forma de ovo adornados com o que parecia ser antenas. Em vez de pernas, as criaturas estranhas ficaram presas sobre um tipo de pedestais rígidos.


Após este encontro inicial, a assustada Antônia afirma que ela gritou para as criaturas, o que parecia ter o efeito de fazê-las se acalmar com o medo. Ela perdeu a consciência novamente e, quando acordou, ela diz que foi submetida a uma série de imagens projetadas na parede, incluindo várias cenas surreais, como um cão sendo derretido e um trem entrando em um túnel, cujo significado não poderia ser discernido. Em um ponto, durante esta exibição de estranhezas e coisas grotescas, um dos seres robô, aparentemente recolheu sangue de um dos dedos de Antônia, depois o espirrou através de uma parede para formar um padrão de três círculos e uma forma de "L". Neste ponto, Antônia afirma que ela perdeu a consciência mais uma vez, e quando acordou, ela estava novamente no carro, vomitando e tonta de toda a experiência intrigante.



Na Itália, no ano seguinte, houve o caso de Pier Zanfretta. Em 6 de dezembro de 1978, Zanfetta estava trabalhando como guarda de segurança, fazendo suas rondas, quando viu quatro luzes brilhantes se aproximando dele. Ele saiu para investigar com sua pistola em punho e viu que a fonte das luzes eram de reptilianos de pé com 3 metros de altura, com pele verde e sagrada, cabeças enfeitadas com espinhos e, em lugar de uma boca, um estranho aparelho de respiração. Ao notá-lo, essas entidades, supostamente, dispararam algum tipo de feixe de calor, que fez Zanfretta correr de terror. Mais tarde, ele seria encontrado por outro guarda de segurança, desmantelado no chão. Quando a área foi verificada, verificou-se que havia uma série de grandes pegadas impressas no chão e ramos queimados nas árvores, dando credibilidade à história dramática que a testemunha contara.


Zanfretta continuaria a ter vários encontros com os seres do tipo lagarto, nos quais ele seria levado a bordo da nave espacial e experimentado. Eles também se apresentariam como seres do planeta "Teetonia". Durante sua última visita, em dezembro de 1980, os alienígenas supostamente o levaram a uma nave mãe formada de uma substância cristalina e mostraram alienígenas que se assemelhavam a sapos, que estavam presos em estruturas em forma de tubo e que os alienígenas répteis alegaram serem uma espécie inimiga. Outros espécimes alienígenas capturados na e que estavam a bordo da nave mãe também foram mostrados, incluindo criaturas semelhantes a pássaros, pequenas feras saurianas reptilianas e algum tipo de troglodita que parecia um pouco com o "homem das cavernas".



Estes são apenas alguns dos relatos mais estranhos de encontros espaciais que encontrei, e certamente há outros também. O que devemos fazer sobre tais casos? Estas são criaturas que não se encaixam nos relatórios tradicionais de ocupantes de OVNI, e se pergunta exatamente o que isso pode significar. Existem diferentes espécies ou raças? Alguma coisa de outra dimensão? Eles são metamorfos que apenas tomam qualquer forma que eles querem, independentemente de quão estranho possa ser? Ou isso é apenas o resultado de alucinações, psicose, hoaxes, contos ou apenas os efeitos das drogas e do álcool? Qualquer que seja a resposta a essas perguntas, tais relatos insanamente bizarros certamente adicionam cores ao mundo já colorido de encontros extraterrestres e sugerem que este é um fenômeno que talvez seja ainda mais estranho e mais inescrutável do que qualquer um possa imaginar.
Compartilhe no Google Plus


Sobre Luciana Costa

Blogueira, escritora e life coach. Autodidata aplicada, amo psicologia e filosofia. Gosto de mistérios e curiosidades em geral. Esse blog é parte do que mais gosto de descobrir: os mistérios do mundo.

0 comentários:

Postar um comentário